Biodiversidade e Saúde - IOC

Programa de pós-graduação stricto sensu em biodiversidade e saúde

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Início do conteúdo

Informações para Docentes


Credenciamento de docentes

O Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Biodiversidade e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) institui os seguintes critérios para o credenciamento de orientadores no Programa:

a) Ser servidor público ativo da Fundação Oswaldo Cruz;
b) Não ser docente permanente em mais de um programa de pós-graduação credenciado pela CAPES;
c) Ter título de Doutor, validado pelo MEC, obtido há pelo menos 03 anos para orientar mestrandos e, no caso de orientação de doutorandos, o orientador deve ter também pelo menos 01 orientação de mestrado já defendida. Em casos excepcionais serão reconhecidos, pela CPG, pesquisadores orientadores qualificados por sua experiência e notório saber;
d) Possuir currículo depositado na Plataforma Lattes do CNPq, devidamente atualizado;
e) Coordenar linha de pesquisa independente, que seja inovadora para o PPGBS e compatível com o escopo e com as áreas de concentração do Programa;
f) Possuir uma produção científica constante e regular, com no mínimo 03 artigos publicados nos últimos 3 anos, em revistas científicas indexadas e classificadas nos estratos >=B1 do Qualis da área de Biodiversidade da Capes;
g) possuir índice H, calculado pelo Web of Science >= 7;
h) Ter inserção institucional demonstrada pela participação em atividades acadêmicas do Instituto Oswaldo Cruz como: disciplinas, seminários de acompanhamento discente, exames de qualificação, bancas de tese e entrevistas de seleção do programa; i) participar ativamente do(s) projeto(s) a ser(em) desenvolvido(s) pelo(s) candidato(s) a aluno(s);
j) Orientadores de outras Unidades e de outras instituições nacionais e internacionais que apresentem vínculo com o IOC em convênios e projetos de pesquisa poderão ser credenciados excepcionalmente a partir da análise do currículo e da inserção institucional pela CPG.
k) O credenciamento de orientadores será referendado pela Comissão de Pós-Graduação (CPG) do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Saúde (PPGBS).

Os critérios apresentados acima podem ser revistos e divulgados pela CPG do Programa a cada período de credenciamento, que também será referendado pela Comissão.

Coorientação
O coorientador é definido como sendo aquele docente ou pesquisador pertencente, ou não, ao corpo docente ao Programa, com competência no tema da dissertação ou tese (comprovada por pesquisas, publicações e experiência acadêmica), chamado a contribuir como expertise complementar àquela do orientador, considerada indispensável à realização do projeto acadêmico do aluno de Pós-graduação.

A coorientação poderá ser exercida por apenas um coorientador por dissertação ou tese. O coorientador deverá ser indicado pelo orientador principal e submetido à avaliação da Comissão de Pós-graduação (CPG) do Programa no ato da matrícula do discente ou no prazo máximo de até 3 (três) meses após a matrícula do mestrando e 6 (seis) meses do doutorando.

O orientador do mestrando ou do doutorando deverá encaminhar correspondência à Coordenação do curso indicando o nome completo do coorientador e sua Instituição de origem e uma carta de anuência da Instituição de origem do coorientador. A Coordenação deverá submeter a solicitação à CPG, que avaliará sua pertinência. Essa correspondência deverá conter o nome do discente, o título do projeto de pesquisa e a justificativa da necessidade de coorientação, que deve ser baseada na complementaridade de atuação deste no projeto de pesquisa do aluno.

Para credenciamento de coorientador nos cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, a CPG deverá analisar a experiência do docente referente à temática e/ou metodologia do projeto, analisando o conjunto de suas atividades e a justificativa que fundamenta a necessidade da coorientação, enviada pelo orientador juntamente com o projeto de pesquisa do aluno e o Curriculum vitae do interessado.

Caberá ao coorientador colaborar na elaboração do plano de atividades e do projeto de pesquisa do aluno e colaborar no desenvolvimento de partes específicas do projeto de pesquisa, a critério do orientador.

O coorientador não poderá participar da Comissão Julgadora de qualificação e defesa. Vale lembrar que o coorientador não substitui o orientador automaticamente em nenhuma situação. No caso do coorientador utilizar as dependências da Fiocruz para o trabalho de coorientação, o orientador deverá encaminhar um termo de permissão de uso e responsabilidade devidamente preenchido e assinado.

Após a defesa da dissertação ou tese o coorientador, não sendo do corpo docente do Programa, será considerado automaticamente desvinculado do mesmo.
 

*Atualizado em 24/07/2017.

Voltar ao topoVoltar